Browsing Tag

Natureza

0

Barragem do Alqueva |sugestões p/ todos os gostos

Barragem do Alqueva

Artigo atualizado em

A Barragem do Alqueva é um popular destino de férias, escapadinha ou fim de semana romântico ou em família no interior alentejano.

Isto porque existem atividades na região do Alqueva que vão deixar todos contentes.

Assim, neste artigo vamos mostrar-lhe como aproveitar da melhor forma o seu tempo tanto na zona da albufeira, como nos Municípios próximos.

Breve História da Barragem do Alqueva

Barragem do Alqueva no Alentejo

Em primeiro lugar saiba que a Barragem do Alqueva foi inaugurada em 2004 e inclui territórios pertencentes a cinco Municípios Portugueses: Portel, Moura, Reguengos de Monsaraz, Mourão e Alandroal.

Esta obra de engenharia tem 96 metros de altura (acima da fundação) e destina-se não só à reserva de água, rega, abastecimento mas também à produção de energia elétrica.

A albufeira do Alqueva é o maior reservatório artificial de água da Europa Ocidental, com 250 km2 de cota máxima e uns impressionantes 1.100 kms de margens, o que lhe valeu as designações de “Grande Lago” e “Mar do Interior”.

De facto, é água a perder de vista o que propiciou o desenvolvimento turístico da região.

O que visitar na região da Barragem do Alqueva

A Nova Aldeia da Luz

A primitiva Aldeia da Luz ficou submersa pelas águas da albufeira do Alqueva e a solução encontrada foi construir outra aldeia de raíz.

Assim nasceu a Nova Aldeia da Luz situada a 3 km da anterior e que manteve a configuração original e casas típicas e ganhou o Museu da Luz.

A Aldeia de Monsaraz

Vila de Monsaraz

A Aldeia de Monsaraz é uma das mais bonitas do Alentejo na nossa opinião.

Esta vila medieval é realmente imperdível e se está interessado em saber porquê, sugerimos que veja este artigo sobre Monsaraz.

A Aldeia da Estrela

Se decidir visitar a zona de Moura recomendamos que reserve algumas horas a explorar a Aldeia da Estrela.

É que aqui o tempo passa devagar, devagarinho, por isso não se apresse,

A Aldeia de Alqueva

A pequena aldeia de Alqueva dá o nome à barragem pela sua proximidade ao paredão.

Aqui poderá ver um monumento alusivo à barragem.

Aldeia de Juromenha

A Aldeia de Juromenha também é conhecida por Nossa Senhora do Loreto e os principais pontos turísticos são o castelo e a fortaleza.

Museu do Medronho

O Museu do Medronho inclui uma exposição permanente, a destilaria e loja onde poderá comprar as aguardentes de medronho mas também outros produtos regionais como é o caso do mel, azeite e chá.

Está localizado na Herdade de Monte Santos, no Alqueva.

O que fazer na região da Barragem do Alqueva

Pernoitar nos famosos barcos-casa

Já imaginou passar a noite num barco-casa? E mais, pilotar o seu próprio barco-casa?

Pois bem, tal experiência é possível no Alqueva uma vez que estão disponíveis barcos-casa para alugar e não precisa de carta de marinheiro para os pilotar.

Aproveitamos para referir que dispomos de condições preferenciais na marcação de hotéis e que os barcos-casa estão incluídos nesta categoria, pelo que poderá enviar-nos um email se precisar de ajuda (reservapassaporte@gmail.com).

Ir a banhos numa Praia Fluvial

Barragem do Alqueva

Um roteiro pelo Alqueva deve incluir pelo menos uma ida a uma praia fluvial!

A boa notícia é que existem várias praias fluviais na zona ribeirinha do Alqueva onde poderá relaxar, fazer piqueniques e mergulhar à vontade.

Para isso sugerimos as seguintes: Praia Fluvial da Amieira, Praia Fluvial de Mourão, Praia Fluvial da Tapada Grande (Mértola) e Praia Fluvial de Monsaraz e Praia do Mercador (Mourão).

Passeios num balão quente

A planície alentejana é magnífica e imagine só como será observá-la a partir de um balão quente.

Por isso, se não sofre de vertigens como nós, tomamos a liberdade de sugerir um passeio de balão de ar quente pelos céus do Alentejo.

Cruzeiros de barco na Barragem do Alqueva

Passeios de barco no Alqueva

Existem várias empresas que fazem cruzeiros de barco no Alqueva, com diferentes características assim como durações distintas.

Nós fizemos o tour Alqueva com história que saiu do paredão da barragem, teve a duração de 1 hora e incluiu um mergulho em plena albufeira (custo: 10 EUR).

Como chegar à Barragem do Alqueva

Por fim, está a pensar visitar o distrito de Évora? Então, nesse caso tomamos a liberdade de sugerir que leia os seguintes artigos:

Gostaria de conhecer melhor Portugal? O nosso lema é viajar em família, de forma frequente, com algum conforto e sem ir à falência!  Também organizamos viagens, veja algumas promoções em Ofertas de VIAGENS mas não se esqueça de nos acompanhar no Instagram.

2

Percursos Marginais do Rio Minho | passadiços

Percursos Marginais do Rio Minho

Artigo atualizado em

O trilho Percursos Marginais do Rio Minho é um passadiço em Melgaço, no Distrito de Viana do Castelo, isto é, no Norte de Portugal.

Trata-se de um percurso linear e sugerem-se nove paragens (A Vila de Melgaço, Monte Prado, Centro de Estágios, Rio Minho, a Levada, as Pesqueiras, a Geomorfologia e a Paisagem, o Alvarinho e as Termas) mas cada uma tem motivos de interesse distintos.

Neste artigo vamos dizer-lhe o que pode esperar deste trilho, assim como algumas dicas para estar bem preparado e aproveitar ao máximo o trilho, no entanto tenha em atenção que estes passadiços em Melgaço estão instalados junto ao Rio Minho e o restante percurso é feito em caminhos de terra batida.

Assim tem duas opções para fazer o percurso: pode começar na Vila de Melgaço e terminar nas Termas do Peso, ou fazer o percurso inverso.

Estações dos Percursos Marginais do Rio Minho

Percursos Marginais do Rio Minho

Se começar o trilho na vila, sugerimos que estacione o carro num dos locais que indicados no artigo sobre Melgaço.

Siga pela encosta das Carvalhiças até ao Monte Prado. Segue-se o Centro de Estágios e logo a seguir poderá desfrutar do que na nossa opinião é o troço mais agradável do trilho.

Poderá observar o Rio Minho desde um passadiço de madeira logo que passa pelo moinho.

Assim, sugerimos que faça uma pausa nos banquinhos de madeira existentes na Levada e nas Pesqueiras, mesmo antes de terminar o passadiço.

Dica extra: se estiver alojado no Monte Prado Hotel & SPA poderá iniciar o percurso a partir deste ponto.

Em seguida entrará num trilho em terra batida que o levará à estação A Geomorfologia e Paisagem e onde poderá observar diferentes tipos de aves no Observatório de Avifauna de Monte Prado.

Continue o percurso e observe as zonas agrícolas onde predominam as vinhas do Alvarinho, antes de chegar ao final do trilho junto às Termas de Melgaço.

No total o trilho Percursos Marginais do Rio Minho tem 5,7 km e demora cerca de uma hora e meia a ser percorrido.

Então, aceita o desafio de percorrer estes trilhos na próxima oportunidade?

Dicas e conselhos

  • O trilho passa junto a propriedades privadas e é possível que encontre gado pelo caminho;
  • É recomendável que não saia do percurso marcado e sinalizado;
  • Com o passar do tempo é normal que algumas partes do trilho percam as indicações, isto aconteceu-nos quando uma placa indicativa estava no chão junto à estrada;
  • O acesso ao trilho não é permitido durante o período crítico de incêndios florestais;
  • Leve calçado confortável, água mas também snacks.

Por fim, está a pensar visitar o distrito de Viana do Castelo? Então, nesse caso tomamos a liberdade de sugerir que leia os seguintes artigos:

Gostaria de conhecer melhor Portugal? O nosso lema é viajar em família, de forma frequente, com algum conforto e sem ir à falência!  Também organizamos viagens, veja algumas promoções em Ofertas de VIAGENS mas não se esqueça de nos acompanhar no Instagram.

2

Shinrin-yoku, o Japão e a Natureza

Shinrin-yoku

Artigo atualizado em

Eu tenho muita vontade de visitar o Japão mas enquanto não vou, faço questão de conhecer um pouco mais a cultura japonesa, nomeadamente o Shinrin-yoku.

O que é o Shinrin-yoku?

Shinrin-yoku significa literalmente “mergulhar na atmosfera da floresta”. Pelo menos, é assim que é apresentado no livro de Yoshifumi Miyazaki sobre esta forma de medicina preventiva.

Ora a ideia de passear na Natureza e recolher benefícios para a saúde agrada-me bastante. Aliás, fazer percursos ao ar livre é algo que cá em casa fazemos regularmente.

Quem faz percursos na natureza certamente conhece a sensação de bem-estar que experimenta nesses passeios.

O que mais me interessou neste livro nem foi tanto a explicação que comprova que o contacto sistemático com a Natureza melhora os sistemas nervoso e imunitário, além de diminuir o stress e a pressão arterial.

Para alguém como eu que adora viajar o mais interessante são as imagens das florestas japonesas!

Shinrin-yoku

Sabia que 69% do território japonês está coberto de floresta? As fotografias do Monte Fuji, das cerejeiras em flor, dos campos de bambu e dos bonsais  encheram-me a alma! E até sinto que já visitei uma parte do Japão apesar de nunca ter estado lá!

Portanto, vamos lá comprar o livro e experimentar a terapia do Shinrin-yoku na floresta mais próxima de si. Ou então no Buçaco, no Gerês, na Serra da Estrela, na Serra da Freita ou na Serra da Lousã, se não tem hipótese de dar um pulinho ao Japão 🙂

E já sabe, para acompanhar de perto as nossas viagens, não se esqueça de nos seguir no facebook e no instagram.

5

Parque Nacional da Peneda-Gerês

Parque Nacional da Peneda-Gerês

Artigo atualizado em

O Parque Nacional Peneda-Gerês é uma área protegida que engloba a Serra Amarela, a Serra do Gerês, a Serra da Peneda e a Serra do Soajo.

Inclui, por isso, territórios dos concelhos de Terras de Bouro, Melgaço, Arcos de Valdevez, Ponte da Barca e Montalegre.

No total são 22 freguesias que fazem parte do parque que é Reserva Mundial de Biosfera da UNESCO.

Então, acompanha-nos nesta viagem pelo Norte de Portugal?

O que fazer no Parque Nacional da Peneda-Gerês

Percursos Pedestres

Existem 40 trilhos pedestres sinalizados no Parque Nacional da Peneda-Gerês, sendo que destes 9 carecem de autorização para grupos a partir de 10 ou 15 elementos.

Assim, quando estiver a planear o seu trilho pedestre sugerimos que confirme esta informação junto das autoridades do parque.

Então, os percursos pedestres cujo percurso não está condicionado são os seguintes:

  • Trilho de Lamas de Mouro, Trilho Interpretativo de Castro Laboreiro, Rota temática dos peregrinos e romeiros da Peneda – Rota de Sistelo, Trilho Castrejo, Trilho do Curro da Velha, Caminhos do pão, caminhos da fé – percurso longo, Trilho Pertinho do Céu, Trilho da Mistura das Águas, Travessia das Serras da Peneda e Soajo, Trilho do Ramisca, Trilho das Brandas, Caminhos do pão, caminhos da fé – percurso curto, Trilho Interpretativo do Mezio, Trilho do Ramil, Rota temática dos peregrinos e romeiros da Peneda – Rota do Soajo, Trilho dos Moinhos de Parada, Trilho do Penedo do Encanto, Trilho do Megalitismo de Britelo, Trilho de Entre Ambos-os-Rios – Ermida, Trilho de Germil, Trilho da Águia do Sarilhão, Trilho Cidade da Calcedónia, Trilho dos Currais, Trilho dos Miradouros, Trilho de São Bento, Trilho do Fojo de Fafião, Trilho do Rio, Trilho do Fojo da Portela da Fairra, Trilho de Pitões das Júnias, T. do Contrabando e por fim o Trilho de Tourém.

Por outro lado os trilhos condicionados são os seguintes:

  • Trilho do Megalitismo do Planalto de Castro Laboreiro (10 elementos), Trilho da Peneda (15 elementos), Rota temática dos peregrinos e romeiros da Peneda – Rota dos bicos (10 elementos), GR do Ato Lima – Etapa Ponte da Barca (15 elementos), GR 34 – Trilho Interpretativo da Serra Amarela (10 elementos), Geira (10 elementos), Trilho da Preguiça (10 elementos), Trilho interpretativo das Silhas dos Ursos (10 elementos) mas também o Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (15 elementos).

Piqueniques em família ou com amigos

Quer seja adepto de toalha no chão ou prefira parques de merendas, no Gerês é garantido encontrar um sítio para fazer um piquenique.

Os parques de merendas estão espalhadas pelos diferentes concelhos e assim poderá utilizar a Área de lazer das Veigas (Castro Laboreiro), o parque de merendas de Lamas de Mouro, da Senhora da Paz (Adrão), do Mezio, da Senhora da Madalena (Fronteira da Madalena), das Corujeiras (Paradamonte), do Vidoeiro (Gerês), da Pedra Bela, do Chelo, do Chã do Arado (Ermida), da Batoca (Pincães), do Carvalhal (Pincães), da Barca (Cabril), da Senhora das Neves (Cabril), das Encruzilhadas (Xertelo), Além do Rio (Barragem de Paradela) em por fim, o parque de merendas de Pitões das Júnias.

Desportos radicais

A existência de rápidos e albufeiras são propícios à prática de desportos radicais, no entanto nós apenas experimentamos Stand Up Padle na Barragem da Caniçada e gostámos bastante.

Ver cascatas e mergulhar em rios, lagos e albufeiras

O parque é rico em curso de água, por isso não é de estranhar a profusão de rios, lagos, albufeiras e cascatas.

Assim, as albufeiras que recomendamos visitar são a Caniçada, a albufeira de Vilarinho das Furnas (rio Homem) e a albufeira da Barragem da Paradela (rio Cávado).

Por outro lado, as cascatas que sugerimos que inclua no seu roteiro no gerês são a cascata do Arado, a cascata de Fecha de Barjas, a cascata da Laja, a cascata de Leonte e a cascata da Portela do Homem.

No entanto, no final deste artigo poderá encontrar um link para um post dedicado exclusivamente às cascatas no Gerês.

Como chegar ao Parque Nacional da Peneda-Gerês

Dicas de viagem para visitar o Parque Nacional da Peneda-Gerês

Existe um Código de Conduta e Boas Práticas que deverá ser respeitado pelos visitantes do Parque, por isso sugerimos que o analise com cuidado.

Por fim, está a pensar visitar o Gerês? Então, nesse caso tomamos a liberdade de sugerir que leia os seguintes artigos:

Gostaria de conhecer melhor Portugal? O nosso lema é viajar em família, de forma frequente, com algum conforto e sem ir à falência!  Também organizamos viagens, veja algumas promoções em Ofertas de VIAGENS mas não se esqueça de nos acompanhar no Instagram.